Inside

EBANX e AliExpress: uma parceria de sucesso

Conheça a história que transformou o AliExpress no e-commerce internacional que mais vende no Brasil.

EBANX

EBANX Payments
15/08/2017

Este 15 de agosto de 2017 é muito especial para o EBANX. Nesse mesmo dia, há quatro anos, a fintech brasileira processava o primeiro pagamento em boleto para o AliExpress no Brasil. Essa foi uma verdadeira "mudança de chave" nas vendas do e-commerce chinês para o país: até aquele dia, brasileiros só podiam comprar no Ali se tivessem um cartão de crédito internacional, o que não era  e continua não sendo  a realidade da maioria desses consumidores.

Desde então, o gigante chinês do retail começou a traçar o caminho que o tornaria o e-commerce internacional que mais vende no Brasil. "AliExpress tem uma importância enorme na história do EBANX e eles sabem disso. E eles também reconhecem a importância que o EBANX tem na história deles, no alcance que conquistaram no Brasil", diz Alphonse Voigt, CEO do EBANX.  

ebanx-aliexpress.png

Levando em conta que hoje apenas 19% da população brasileira possui um cartão de crédito  internacional, é possível compreender o real peso desse alcance: significa a possibilidade de chegar aos 81% que não contam com esse método, ou aos que o possuem, mas preferem não usá-lo em compras pela internet, ou ainda aqueles que o têm, mas estão sem crédito. Com o EBANX, o AliExpress - e vários outros merchants - passaram a oferecer em seus sites opções de pagamento locais da América Latina, como o boleto bancário brasileiro, permitindo que latino-americanos comprassem pagando das formas com as quais estão acostumados.

E a parceria com o AliExpress quase coincide com a própria criação do EBANX, em 2012, quando os sócios Voigt, João Del Valle, CTO, e Wagner Ruiz, CFO, juntaram seus conhecimentos para criar essa empresa que causaria uma disrupção no setor de pagamentos, atendendo a merchants de vários países e quase 23 milhões de consumidores no Brasil, México, Colômbia, Chile e Peru. "Estamos encurtando distâncias entre a América Latina e o mundo", resume Voigt.

O impacto é tanto que o EBANX venceu o prêmio Pulo do Gato da Endeavor em 2015, no qual concorrem empresas que recebem mentoria da entidade. A premiação leva em conta pontos como o impacto da empresa na sociedade, potencial de crescimento, o perfil empreendedor dos líderes e a inovação.

O primeiro boleto de uma história

Além de empresas como o AliExpress e de entidades como a Endeavor, outra parte igualmente importante da história do EBANX são os usuários - os latino-americanos que podem comprar mais facilmente em sites internacionais por causa do EBANX.

Descrição da legenda Thiago Henrique de Medeiros / Arquivo Pessoal

Um desses consumidores é o secretário Thiago Henrique de Medeiros Roberto, brasiliense de 27 anos. Ele foi o primeiro a comprar com boleto no AliExpress. No dia 15 de agosto de 2013, ele adquiriu
um relógio de pulso no e-commerce. Resistindo ao tempo, é o preferido de Thiago - inclusive, estava em seu braço no momento em que concedeu esse depoimento. 

Thiago já era cliente do AliExpress, havia feito várias compras, para ele mesmo e para presentear a família. Sempre itens pequenos e baratos. Até que um dia viu o anúncio do relógio. Ficou animado e, ao mesmo tempo, apreensivo: o dólar estava baixo, mas ainda assim era um produto mais caro do que estava acostumado a comprar. E, naquele momento, ele estava sem crédito no cartão de crédito.

Foi quando descobriu que poderia pagar com boleto bancário. "Foi uma surpresa. Primeiro, fiquei com medo: de pagar o boleto, algo dar errado e eu não ter como reclamar", lembra. "Por isso, fui pesquisar sobre o EBANX. Quando vi que era uma empresa brasileira, fiquei mais tranquilo", diz.

Passada a preocupação, Thiago comprou. E aí, a ansiedade tomou conta. "Eu tinha o aplicativo dos Correios que mostrava o caminho da encomenda. Olhava todos os dias, para saber onde ela estava. Era uma compra grande, por isso fiquei preocupado também, além de ansioso", conta.

Deu tudo certo e, depois de cerca de 25 dias, o relógio chegava às mãos - ou melhor, ao pulso - de Thiago. "Coloquei como endereço de entrega o local onde eu trabalhava e pedi para o funcionário que cuidava das correspondências para me avisar assim que o pacote chegasse. Quando chegou, fui logo abrindo", conta rindo. "Veio tudo certinho".