Marketing

Como escolher a melhor plataforma para e-commerce

Veja como escolher a melhor plataforma para seu ecommerce conforme os seus objetivos.

Amanda Pofahl

Latin American Market Expert
08/12/2017 · leitura de 9 min

Uma plataforma de e-commerce está para a loja virtual como as paredes, prateleiras, luzes e cores estão para uma loja física. Mais do que isso, além das vitrines, a plataforma também consolida o estoque, fluxo de caixa e muitas outras informações vitais para um negócio digital.

Antes de falarmos sobre a melhor escolha é fundamental que você logo entenda que a opção mais adequada para a sua realidade pode não ser a mesma para outra empresa.

Vamos lá?

1.INTRODUÇÃO

como escolher a melhor plataforma para e-commerce

Vamos começar explicando melhor o conceito de plataforma de e-commerce. O que é essa tecnologia, o que você pode esperar dos principais players do mercado e, também, quais os principais aspectos do seu negócio devem ser considerados na hora de escolher um fornecedor.

O mercado brasileiro vem experimentando um crescimento constante das vendas realizadas via lojas virtuais desde o início dos anos 2000. Em 2017 o setor registrou pela primeira vez na história mais de 50 milhões de pedidos realizados em diferentes sites.

Enquanto esse cenário é muito animador, é preciso ver o outro lado da história: o aumento gradativo da concorrência. Por isso, planejar bem e estar preparado para destacar-se nos mecanismos de busca é fundamental para assegurar os resultado.

Continue lendo e descubra como escolher a melhor plataforma para a sua loja virtual.

2.plataformas

como escolher a melhor plataforma para e-commerce

Antes de aprofundarmos no tema deste e-book é preciso determinar o conceito de plataforma de e-commerce. De maneira geral, ela reúne as tecnologias necessárias para que você consiga expor seus produtos no ambiente digital, concretizar as vendas e contabilizar os resultados.

Para que você entenda melhor, podemos separar uma plataforma em duas partes principais:

  • Front-End: O front-end é a cara do seu e-commerce. Nele os clientes e potenciais consumidores irão buscar os produtos de interesse, ver o que sua loja oferece, interagir com a interface, adicionar produtos ao carrinho e - se tudo der certo - finalizar a compra.
  • Back-end: Enquanto o front-end é a parte do site que todo mundo vê, o back-end é a parte onde apenas os desenvolvedores terão acesso. Ela é responsável por fazer com que tudo esteja funcionando corretamente, desde a página principal até o sistema de pagamento.

Para que a plataforma atenda às suas necessidades e não deixe os seus consumidores na mão é fundamental que essas duas partes estejam funcionando perfeitamente. Mais do que isso, é preciso evoluí-las constantemente para manter-se atualizado.

Os tipos de licença para plataformas de e-commerce

Com a popularização dos e-commerces e consequente aumento na demanda por plataformas, diferentes opções surgiram e estão disponíveis no mercado. Para determinar qual o melhor modelo para o seu negócio é fundamental conhecer um pouco mais sobre cada uma delas.

Como comentamos no início deste capítulo, uma plataforma de e-commerce é formada por uma série de tecnologias que permitem que sua loja exista. Alguns deles são:

  • hospedagem;
  • servidores;
  • otimizações de layout;
  • segurança das informações;
  • plugins;
  • dentre outros.

Enquanto algumas empresas oferecem um pacote completo, com toda a infraestrutura e suporte que você necessita, outras fornecem os códigos e deixam os outros fatores (como a hospedagem e segurança) por conta do proprietário da loja.

Nesse contexto é possível encontrar:

  • Plataformas Open Source: Open source quer dizer, em tradução livre, "código aberto". Isso significa que você terá a base para fazer sua loja de graça, mas terá que arcar com todos os outros aspectos, desde a hospedagem até a segurança e atualização do sistema de seu e-commerce.
  • Plataformas On-Premises: No caso das plataformas on-premises é preciso comprar o código fonte para sua loja. Por outro lado, a empresa fornecedora normalmente é responsável pela atualização do código, oferece suporte para diferentes áreas e uma atualização anual, ou a cada dois anos.
  • Plataformas SAAS (Software as a Service): No caso do SaaS para plataformas de e-commerce, você deverá pagar uma mensalidade, enquanto a empresa fornecedora cuida de todo o resto. No frigir dos ovos essa pode ser uma excelente opção, uma vez que contratar profissionais para cuidar de todos os aspectos técnicos provavelmente sairá muito mais caro do que esse investimento mensal.

Cada uma dessas opções apresenta vantagens e desvantagens que merecem uma análise criteriosa durante seu planejamento. O ideal é encontrar um equilíbrio entre o controle que você tem sobre a plataforma e o custo que uma equipe técnica gera. Esse equilíbrio deve ser o seu norte.

3.SEO

como escolher a melhor plataforma para e-commerce 

O termo SEO (Search Engine Optimization) faz relação a um conjunto de regras utilizados por motores de busca - como o Google - para determinar qual o melhor resultado para uma determinada busca. São mais de 200 características analisadas no seu site como um todo e, também, na página do produto.

Enquanto pesquisa a melhor plataforma para o seu e-commerce é muito importante considerar aspectos de SEO. No melhor cenário você conta com um bom código, capacidade de configurar manualmente diferentes aspectos de cada página, além de muitos outros detalhes.

Confira alguns dos principais pontos que você deve avaliar ao analisar os fatores de ranqueamento de um fornecedor:

  • Links de Navegação Independentes: o nome do produto na URL é independente do que aparece no menu. Enquanto na URL pode ser interessante explorar o nome técnico do produto, colocar isso no menu do site pode atrapalhar todo o layout (e deixar o site poluído);
  • Títulos de Página Independentes: o título de página independente permite que você utilize keywords no endereço específico dos produtos. Isso facilita o ranqueamento pelos mecanismos de busca e possibilita que eles sejam encontrados mais facilmente pelo público;
  • URLs únicas nas Páginas: Quando a URL é gerada de forma automática você pode perder a oportunidade de explorar uma keyword específica ou, pior ainda, criar uma URL irrelevante para seus produtos - dificultando o ranqueamento e atrapalhando as vendas;
  • Meta Descriptions personalizadas: Meta Description é o que você vê abaixo de um link na página de resultados do Google. Personalizar essa descrição para utilizar os termos buscados pelo público (ou ressaltando aspectos relevantes de cada produto) certamente será positivo para os resultados finais.
  • ALT Tags independentes: ALT tag é o que traduz para os mecanismos de busca do que se trata uma determinada imagem. Apesar de não ter muito peso no ranqueamento, essa descrição certamente melhorará os resultados no Google Imagens e poderá gerar mais tráfego para sua loja.
  • Títulos H1 personalizáveis: esse é o título da página - e normalmente será o nome do seu produto. A capacidade de personalizá-la possibilita que você faça testes e otimize o título para bater com o que seu público está realmente buscando.
  • URLs canônicas: Não é raro que um mesmo produto esteja listado em mais de uma categoria em um e-commerce. Como o Google pune páginas duplicadas, a URL canônica serve para você deixar claro que se trata de um mesmo produto, elegendo a página que ele deve ranquear.
  • Plataforma de blog integrada: A produção de conteúdo por si só já é muito importante para o SEO do seu negócio. Mas, mais do que isso, um blog integrado oferece a possibilidade de gerar muitos links apontando para produtos e páginas do site, favorecendo, assim, o ranqueamento.
  • Botões de compartilhamento social: Fundamentais para incentivar o compartilhamento de seus conteúdos e páginas nas redes sociais, esses botões são muito indicados para geração de tráfego para o e-commerce.
  • XML Sitemap: Esse é um arquivo que fica em seu servidor para ser acessado pelos robôs do Google. Ele facilita a leitura do seu site por esses robôs e melhora, como consequência, o ranqueamento dos seus produtos e conteúdos.

Usabilidade

Quando falamos em usabilidade estamos nos referindo à facilidade com que o usuário consegue interagir com o seu site de maneira geral. Quem nunca passou pela terrível experiência de tentar clicar em um link pelo celular e não conseguir fazê-lo pelo tamanho da letra. Ou pior, consegue clicar, mas no link errado!

Esse é um aspecto que pode atrapalhar muito as suas vendas e você terá que se preocupar com isso, principalmente se optar pelos modelos open-source e on-premises de plataforma. Isso porque sua equipe será a responsável pelo desenvolvimento do layout e sua posterior evolução.

Além da experiência do usuário, o Google já está punindo sites que não possuem uma versão mobile. Se levarmos em consideração o volume de negócios fechados via dispositivos móveis, mais do que agradar a um mecanismo de busca, a responsividade influencia diretamente nas suas vendas.

Testes

Realizar testes é fundamental para saber quais os principais fatores que estão atuando em casos como abandono de carrinhos, de página e também para buscar aumento nas conversões. Nesse contexto, o teste A/B é uma poderosa ferramenta de otimização.

Nessa técnica você coloca duas páginas do mesmo produto no ar, com pequenas diferenças de copywriting e layout. Aquela que performar melhor durante um determinado período de tempo apontará possíveis evoluções que você pode adotar para todo o site.

4.Financeiro

como escolher a melhor plataforma para e-commerce

Escolher a melhor plataforma para internacionalizar o seu e-commerce envolve, além de todos os outros fatores que citamos ao longo deste post, aspectos financeiros. Afinal, é preciso encontrar o melhor custo-benefício para fazer com que a operação valha realmente a pena.

Um termo muito utilizado nesse contexto é "breakeven". Ele faz relação ao ponto de equilíbrio, quando o volume de vendas da empresa consegue pagar todos os custos de produção. Simplificando, breakeven quer dizer que a sua empresa está operando no azul.

Por isso é tão importante determinar, ainda no planejamento, expectativas de ganho ao longo de determinado período. Esses números permitirão que você acompanhe os resultados sabendo se a operação está seguindo de acordo com o planejado e, caso não esteja, tome as atitudes necessárias para melhorá-lo.

Outro aspecto que você deve observar é o retorno (ou payback) dos investimentos. Se você optar por uma plataforma com investimento inicial alto, por exemplo, deverá considerar um período maior para contabilizar o retorno dos investimentos.

Integração com processadoras de pagamento

Na hora de escolher a plataforma do seu e-commerce, é importante considerar a possibilidade de integração com a empresa que vai processar os pagamentos do seu ecommerce.  O EBANX, por exemplo, tem plugins que possibilitam integrar pagamentos internacionais em plataformas como Magento ou Woocommerce. 

Segurança

Quanto mais suas vendas aumentarem, maior deverá ser seus cuidados com a segurança dos seus clientes. Instaurar medidas de compliance e garantir um bom sistema antifraude no ecommercesão essenciais para garantir uma compra segura na sua plataforma.

 

5.CONCLUSÃO

como escolher a melhor plataforma para e-commerce

Você viu, ao longo desse material, que a escolha da melhor plataforma de e-commerce para sua loja deve abranger muitos detalhes. Cada um deles tem papel importante nos resultados gerados, no equilíbrio financeiro da empresa e nas possibilidades de evolução.

O primeiro passo é determinar o modelo de negócio do fornecedor: open source, on-premises ou SaaS. Isso determinará a necessidade de pessoal, o custo mensal e o nível de dificuldade para realizar alterações, seja no servidor ou no layout do site.

Considerar os aspectos de SEO também é vital, uma vez que grande parte dos consumidores brasileiros utiliza o Google como ferramenta de pesquisa antes mesmo de fechar uma compra. Estar bem posicionado gera um volume muito superior de tráfego e, consequentemente, mais vendas.

Pensar na usabilidade - na maneira como o público interage com seu site - e realizar testes também será muito importante ao longo do tempo. Por isso, considere esses fatores na hora de questionar possíveis fornecedores. Um investimento um pouco maior agora pode ser um grande facilitador no futuro.

Por fim, nós vimos que dois aspectos financeiros principais, brakeven e payback, devem estar sempre no seu radar, mesmo no planejamento. O tempo de retorno do seu investimento, o período necessário para o projeto pagar seus próprios custos e muitos outros fatores dependem diretamente dessas informações.

Você viu que são inúmeros os fatores que fazem uma ou outra plataforma de e-commerce ser a melhor para a sua realidade. Por isso, conte com uma equipe especialista desde o planejamento. Dessa maneira você poderá evitar surpresas e conseguir excelentes resultados!